O último abraço

Image

Bangladesh 24042013

a foto final, o último fôlego,

nervos entre vigas (vida, não ouso,

não ouço), o sangue irmanado

ao concreto, o amor sob o pó,

sonhos sob os escombros: foi a última

vez em que meu corpo soube o seu,

foi a primeira vez em que nós fomos

apenas corpo, apenas corpos, nós

que antes éramos aço e músculos,

músculos e aço agora enlaçamos o pó

do que éramos, o pó a que fomos,

mil como nós abraçados à morte,

tecidos agora ao que tecíamos,

nossas roupas e as roupas em que

nos tornamos, agora que nosso amor

se chama morte, agora que nosso

mundo é ainda menor, apenas nós,

nosso pó, um nó entre nós e tudo.

[Do que se trata: http://www.nydailynews.com/news/world/bangladesh-factory-collapse-victims-found-final-embrace-image-article-1.1339426]

Anúncios

3 comentários sobre “O último abraço

  1. Anônimo 17 de janeiro de 2014 / 21:19

    Não me canso de ler esse poema. E, em todas as vezes, a chuva cai.

  2. Anônimo 17 de janeiro de 2014 / 21:22

    Tarso, esqueci de assinar, rs . Bete Tantas Letras!

  3. Bete 17 de janeiro de 2014 / 21:43

    Meu email…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s