Júlio Mendonça e o caracol

Um poema inventa suas próprias regras. Diante dele e ao percorrê-lo o leitor se depara com o frescor e a estranheza de uma linguagem desconhecida. Diferentemente, a língua é o território que ele conhece, mesmo quando andou em poucos dos seus caminhos. No poema, esse território se apresenta a ele alterado como se tivesse tido um outro uso. A linguagem é esse novo modo de usar que o leitor tem que aprender ali, no ato da leitura. Essa linguagem tensiona a língua. Na língua, o familiar, o conhecido; na linguagem, a surpresa. A poesia de Tarso parece identificar o inesperado da linguagem poética com as inquietações da vida contemporânea: “nada acena aonde ir, mas impede de ficar” (Lugar Algum, p. 30).

http://www.incomunidade.com/v19/art.php?art=10

Anúncios

Um comentário sobre “Júlio Mendonça e o caracol

  1. Célia Menezes 12 de fevereiro de 2014 / 15:15

    Na humilde visão “uma aula de interpretação de texto”
    .

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s