Espaço, tempo, poesia

SIWF

Persigo na memória as palavras com que se debatem em mim o amor e o sonho.

O país em que escrevo não é exatamente o lugar do amor e do sonho. Ou talvez seja, porque o país é imenso e surpreendente. Mas a cidade em que escrevo, as ruas em que busco palavras para transformar nos textos que pretensamente são chamados por aí de poemas, nelas não se vê grande chance para o amor ou qualquer estímulo ao sonho. Creio que é esta a razão para que, em meus poemas, tantos já tenham acusado a marca forte do urbano, da vida urbana, da vida do homem na cidade, mais vivendo do que simplesmente observando os conflitos todos que a cidade significa. Creio que é esta a razão, também, para que o amor apareça de modo tão tímido nos poemas, para que o amor seja, ele mesmo, um sonho sufocado em meio àquilo tudo que o poema – ou quem o escreve – não é capaz de dominar. Poemas são, em alguma importante medida, caixas de ressonância. São ecos e reflexos, sempre falhos e traiçoeiros, dos sons e imagens que alguém imagina ter ouvido e visto. E também que alguém gostaria de ouvir e ver. O impulso do poema para se agarrar ao que admira é sua forma mais intensa e verdadeira de amor. E, por vezes, é também sua forma mais dolorosa de sonho.

A época em que escrevo não é exatamente a era do amor e do sonho. Ou talvez seja: não conheço todas as suas margens e variantes. Mas o instante em que escrevo, que constrange minha vida (ou as palavras com que a persigo) entre os ponteiros do relógio, não cede às tentações do amor, nem se perde nos desvios do sonho. É um tempo seco. Um tempo estranho, em que somos todos estranhos – de nós e dos outros. O amor resiste em meio aos escombros que esse tempo produz. O sonho tenta saltar para além das tramas em que se lançam nossos dias. Normalmente, ambos falham. E falhar é sua glória.

No poema, frágil armadura, lugar do amor e do ódio, instante do sonho e da perda, não há ponto de equilíbrio. Não há harmonia possível. As palavras se chocam, interferem umas nas outras, transtornam o desejo e a aflição, a atração e o abandono. Ao buscar o amor, o poema encontra um refúgio vulnerável. Ao lançar-se no sonho, ergue o véu do desespero. E nele também deságua.

 

Texto escrito para apresentação no 2014 Seoul International Writers´ Festival, organizado pelo Literature Translation Institute of Korea, a se realizar em set/2014, com o tema “Eros and Dream”. No site do festival (http://siwf.klti.or.kr/) existem versões do texto para o inglês (por Adriano Scandolara) e coreano.

Anúncios

Um comentário sobre “Espaço, tempo, poesia

  1. Anônimo 17 de setembro de 2014 / 16:19

    De repente a Coréia do Sul, logo ali (18.000 km), se tornou tão perto pra nós.
    Só você mesmo, pra diminuir essa distância com seus textos tão maravilhosos. Parabéns!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s