Uma tradução

morabito

SIEMPRE ME PIDEN POEMAS INÉDITOS

Fábio Morábito

 

Siempre me piden poemas inéditos.

Nadie lee poesía

pero me piden poemas inéditos.

Para la revista, el periódico, el performance,

el encuentro, el homenaje, la velada:

un poema, por favor, pero inédito.

Como si supieran de memoria lo que he escrito.

Como si estuvieran colmados de mi poesía

y ahora necesitaran algo inédito.

La poesía siempre es inédita, dijo el poeta en un poema,

pero ellos lo ignoran porque no leen poesía,

sólo piden poemas inéditos.

 

 

SEMPRE ME PEDEM POEMAS INÉDITOS

 

Sempre me pedem poemas inéditos.

Ninguém lê poesia

mas me pedem poemas inéditos.

Para a revista, o jornal, a performance,

o encontro, a homenagem, o sarau:

um poema, por favor, mas inédito.

Como se soubessem de cor tudo que escrevi.

Como se estivessem fartos da minha poesia

e agora precisassem de algo inédito.

A poesia sempre é inédita, disse o poeta num poema,

mas eles o ignoram porque não leem poesia,

apenas pedem poemas inéditos.

 

[trad. Tarso de Melo]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s