Edições Lado Esquerdo

20171114_114344

As Edições Lado Esquerdo são dedicadas à crítica do direito e temas correlatos. Uma editora sem sede, sem CNPJ, sem fins lucrativos. Livros sem ISBN, a preços baixos, para fazer circular, com o mínimo de empecilhos, ideias urgentes, por meio de (1) textos teóricos sobre questões sociais e políticas, com especial atenção para as implicações jurídicas, com caráter explicativo e combativo, além da indicação de outras fontes de estudo; (2) perfis introdutórios e estudos aprofundados de autores fundamentais para a reflexão marxista sobre o direito; (3) análise crítica dos principais juristas das correntes jurídicas burguesas; e (4) tradução de textos importantes para uma apreensão crítica do direito (mas não só…), apresentados por especialistas. Em suma, as Edições Lado Esquerdo pretendem fornecer, no turbilhão do século XXI, armas para a tarefa fundamental de atacar e superar o “estreito horizonte do direito burguês”, apontado por Marx já em 1875.

 

Coordenação Celso Naoto Kashiura Jr. | Márcio Bilharinho Naves | Oswaldo Akamine Jr. | Tarso de Melo Logo e capa Marina Zocca Vilela Revisão Edmar Tetsuo Yuta Projeto gráfico Luzia Maninha | Isabela Agrela Teles Veras

Contato livrosladoesquerdo@gmail.com

 

LANÇAMENTOS

 

Carolina de Roig Catini

Privatização da educação e gestão da barbárie

COMPRAR: https://pag.ae/bcq1HGx

 

Oswaldo Akamine Jr.

A teoria pura do direito e o marxismo

COMPRAR: https://pag.ae/bhq1HQc

 

Para comprar os dois (frete único):

https://pag.ae/blq1JC8

 

PRÓXIMOS LANÇAMENTOS

 

Georg Rusche Mercado de trabalho e execução penal Tarso de Melo Políticas do direito Georges Labica Da igualdade Celso Kashiura Jr. e Márcio Bilharinho Naves Introdução a Pachukanis Piotr Stutchka Socialismo jurídico Celso Kashiura Jr. Ideologia jurídica e reformismo

 

SOBRE OS LIVROS

 

Privatização da Educação e Gestão da Barbárie [52 pág., R$ 10]

 

Tendo em vista a imanência dos processos de mudanças históricas nas formas de realização do direito e da força de trabalho, o estudo se dedica à compreensão da tendência de privatização dos direitos sociais, dando particular atenção aos seus desdobramentos no bojo de processos “reformistas” e “conciliatórios”, tendência essa que alterou a correlação de forças no antagonismo entre capital e trabalho. As reformas educativas e trabalhistas atuais são apresentadas como expressão do uso dos direitos sociais como forma de gestão da barbárie, aprofundada pela crise econômica, que amplia a hegemonia estatal-empresarial sobre a formação de trabalhadoras e trabalhadores.

 

Carolina de Roig Catini, doutora e mestre na área de Educação pela Universidade de São Paulo, é professora do departamento de Ciências Sociais da Educação (DECISE) da Faculdade de Educação da Universidade de Campinas.

 

A Teoria Pura do Direito e o Marxismo [64 pág., R$ 10]

 

O livro apresenta criticamente a teoria pura do direito, projeto de vida de um dos principais juristas do século XX, Hans Kelsen. A exposição propõe questões importantes sobre o contexto histórico e cultural em que esse marco do pensamento jurídico foi forjado e expõe, detidamente, seus aspectos conceituais mais relevantes. Kelsen, por outro lado, foi um crítico dedicado das obras de Marx, Engels e Lenin, tendo escrito alguns livros e diversos artigos sobre o assunto; no âmbito do direito, são conhecidas as tertúlias que travou com Max Adler e Evgeni Pachukanis. Assim, este livro também apresenta as posições do jurista austríaco sobre o marxismo, de modo a esclarecer os aspectos ideológicos e políticos que se escondem sob a aparente “neutralidade científica” dos debates em que se envolveu ao longo de toda a carreira.

 

Oswaldo Akamine Jr. é doutor e mestre em Filosofia e Teoria Geral do Direito pela Universidade de São Paulo. Coorganizador, ao lado de Celso Naoto Kashiura Jr. e Tarso de Melo, de Para a crítica do direito (Outras Expressões, 2015).

 

Edições Lado Esquerdo

Anúncios

Formas de silêncio

joao-gilberto

(1)

 

evitando ao máximo

qualquer atrito

com o que vocês dizem

investigo as formas

que o silêncio assume

quando tudo zune

e buzina

 

(2)

 

reza a lenda

que João Gilberto

foi com seu violão

para o hotel

Copacabana Palace

em 2015

 

não quis vista

para a orla

nem hóspedes

: sob os olhos

só as ruas que levam

para longe das ondas

 

bastavam-lhe, ainda,

um desconto nas diárias

e o serviço de café

no quarto no fim da tarde

porque não sai da cama

antes das 17h

 

: ninguém ouviu

suas novas canções

ou qualquer ruído

de sua passagem

 

(3)

 

a música do lápis

sobre o papel

 

a canção paralela

que as digitais tocam

entre uma nota e outra

buscada na corda

 

a percussão

que o engenheiro

não podia prever

no coração do piano

 

a sutil intervenção

da asma arrastada

em sua fala

 

soam noutro mundo

 

(4)

 

cientistas comprovam

a existência

de milhões de poemas

no mar branco

que se abre a cada letra

colada no papel

 

(5)

 

no espelho repito

as palavras que mais detesto

: nem todas escorrem

pelo duplo do meu rosto

ralo adentro

 

só me resta escapar

mera metade

e quieto

 

(6)

 

 

 

____________________________________________________________

Chico ri

chico 1966

Chico ri, ri muito, ri largo, desde sempre. Chico está sempre sério. Batendo em coisas sérias, mas ri. A capa antiga que virou meme no nosso tempo tem Chico rindo. Tem Chico sério ao lado, claro, mas a dupla de Chicos – um sério e um rindo – nos faz rir. É uma capa engraçada, enfim. Porque Chico ri e quer fazer rir, rir das coisas sérias, rir nervoso às vezes. Da mesma forma que dá para atravessar os álbuns todos de Chico contando sua relação com sonhos e pesadelos (e que belo trabalho seria!), é possível contar a história de Chico rindo. Desde a primeira música de seu primeiro disco, “A banda”, ele joga com o poder que as “coisas de amor” têm para abrir nosso sorriso, para desfazer a nossa cara fechada. Quando a banda vai embora, voltamos a ser tristes, e é por isso que a banda tem que voltar sempre. É por isso que temos que ir atrás da banda. E todos os discos do Chico, de lá pra cá, nos fizeram rir. Foram “a banda” que passou pela nossa vida. Chico sabe, como os velhos latinos, que rir pode ser a nossa forma mais eficaz de abalar a rigidez dos costumes: “ridendo castigat mores”. Estou tentando parar de falar do disco novo, mas é difícil. Ontem arranquei mais duas ou três camadas de algumas canções enquanto estava no ônibus. Hoje, no banho, me peguei rindo com o Chico. E como o Chico ri em “Caravanas”. Começando pelas imagens divulgadas durante a gravação do disco: Chico ri com o neto, ri com a neta, ri com a banda, ri sozinho. Chico parece se divertir demais enquanto prepara o disco. E tem muitas razões para rir. A cada faixa do disco, enquanto constrói melodias riquíssimas e letras com um acabamento e força admiráveis, no seu mais alto nível, Chico ri. As letras riem, castigam nossos tempos e suas tantas aberrações. E, certamente, Chico ria ao pensar na forma como suas canções seriam recebidas. Faixa a faixa, Chico ri. Já de cara, em “Tua cantiga”, Chico coloca juras exageradas de amor extraconjugal, que culminam em “largo mulher e filhos e de joelhos vou te seguir”. Chico sabia que isso ia dar confusão, ainda mais vindo de alguém que passou por algo parecido há pouco. Mas Chico vai lá, rindo, e começa assim o disco mais “família” que já fez, com neto e neta participando com destaque. Em “Blues para Bia”, Chico fala de um cara apaixonado por uma moça cujo coração não tem lugar para meninos, mas promete virar “menina pra ela me namorar”. Daí ele vem com “A moça do sonho”, em que o cantor se apaixona por uma moça que lhe aparece no sonho e não quer mais sair de lá. E o disco segue, passa pela canção que ele dedica ao futebol, “Jogo de bola”, em que brinca com as palavras como quem brinca com a bola no futebol moleque a que a música rende homenagem (“vivas às marias chuteiras cujos corações encandecias/ outrora quando em priscas eras/ um Puskas eras/ a fera das feras da esfera”) e depois, em “Massarandupió”, revira os versos como criança cavucando o mundaréu de areia à beira-mar (“cavuca daqui, cavuca de lá, cavuca com fé”). “Dueto”, então, é uma longa risada: em defesa do amor, Chico e sua neta mandam se danar o calendário, a ciência, o evangelho, os búzios, tudo, se ousarem negar o amor entre os dois que falam na canção. No final, quando fala o nome de diversas redes sociais, Chico ri mesmo ao lembrar do Orkut! Lembram daquela turma que mandava o Chico pra Cuba? Pois bem, ele foi e voltou de lá com “Casualmente”, a sétima faixa, misturando português e espanhol, zanzando pelas ruas de Havana. Mas o Chico ia responder pra esses boçais? Sim, com leveza, falando de amor, falando de amor e rindo. E à turma toda que o chamou de vagabundo e que o atacou nas ruas e em restaurantes? Ele dedicou o tapa suave que é “Desaforos”: “Alguém me disse/ Que tu não me queres/ E que até proferes desaforos pro meu lado/ Fico admirado por incomodar-te assim/ Jamais pensei/ Que pensasses em mim // Nunca bebemos do mesmo regato/ Sou apenas um mulato que toca boleros / Custo a crer que meros lero-leros de um cantor/ Possam te dar tal dissabor // Vejo-te a flanar pela avenida/ Como dama florescida num viveiro/ E em salões que nunca vi/ Serei o primeiro a duvidar/ Que em horas vagas/ Os teus lábios delicados/ Roguem pragas por aí// Ouço dizer, mas deve ser mentira/ Nem a tua ira eu acredito que mereça/ Ou que vires a cabeça pra enxergar no breu/ Um vagabundo como eu”. E sai assoviando. Pra fechar, ele vem com a mais-que-comentada “As caravanas”, em que escarnece da “gente ordeira e virtuosa” que é a sua vizinhança na zona sul do Rio de Janeiro, apavorada por esses terroristas que descem para o asfalto no domingo ensolarado: “Sol, a culpa deve ser do sol/ Que bate na moleira, o sol/ Que estoura as veias, o suor/ Que embaça os olhos e a razão”. E Chico deve rir lá agora no seu canto sabendo que fez boa parte dos seus fãs sisudos sentir a batida do funk forçando o esqueleto. Chico deve rir muito. E a gente precisava tanto desse disco. A gente precisa tanto rir. Obrigado, Chico.

Chico é isso tudo?

CHICO

Alguém tem que ter coragem de falar algumas verdades sobre esse disco do Chico Buarque. Pode pegar mal diante da empolgação generalizada dos meus amigos, mas alguém tem que ter coragem de dizer: não é isso tudo. Pego uma música ao acaso, “As caravanas”. Já começo a achar estranha a opção pelo “as” no título da canção que não aparece no título do disco. Falta de capricho, quem sabe? Mas vou ouvir a faixa. O violão vai puxando a música e, aos 7 segundos, já entra a voz estranha do cantor. Por que não tem aquele tempinho no início da faixa pra gente relaxar? Por que não cria primeiro o clima, espalha o arranjo com calma, pra depois começar a cantar? Não sei, mas achei que parece que ele quer dar a impressão de que há uma urgência nessa história de caravanas, aliás, nem de caravanas ele está falando: qualquer um percebe que é de arrastões que ele quer falar, mas não tem coragem, talvez. E por isso ele já canta logo, canta rápido, e o violão vai sendo engolido por um monte de instrumentos refinados, uma verdadeira orquestra, que depois sucumbe ao beat-box do mais impuro funk. À sombra dessas sonoridades todas, o que diz a letra? Ora, uma mistureba só! Primeiro, para que essas referências todas ao universo dos muçulmanos (a começar por “caravana”, palavra que vem do árabe; o jogo entre turco e turquesa reforçado pela referência a Istambul, com sua incomparável história de conflitos culturais, políticos etc.; as rimas de “estranhos suburbanos tipo muçulmanos”; até achar uma divindade escondida no Jardim de Alá, entre Ipanema e Leblon)? Será que ele quer dizer que a Zona Sul vê naqueles arrastões o terrorismo que o Ocidente pintou em todas as referências culturais do Oriente Médio? E, depois, por que insistir que os negros de hoje em dia têm a ver com os negros que chegaram aqui escravizados, espalhando pela letra um vocabulário que só faria sentido para falar do Brasil colonial, desde o “realeza” escondido no “real grandeza” do primeiro verso, para depois opor a “gente ordeira e virtuosa” aos “negros torsos nus”, e o exagero de falar que se pede à polícia não apenas que mande o “populacho” de volta para a favela ou para a prisão, mas para Benguela e Guiné, não só outro lugar no mapa, mas também um canto desconfortável da nossa história? Coisa antiga essa de “crioulos empilhados no porão de caravelas”! E essa coisa do “sol [de] torrar os miolos”, de dizer que “a culpa deve ser do sol/ que bate na moleira, o sol/ que estoura as veias, o suor/ que embaça os olhos e a razão”? É pra lembrar aquele debate também colonial sobre a (im)possibilidade de instalar a civilização num país tão quente, a cera das perucas da corte derretendo pra desdourar os bailes? E, de quebra, lembrar aquele poeta ex-estranho, o Paulo Leminski, que, no tortuoso “Catatau”, inventa a história de um Descartes perdido na selva tropical, louco de ervas e fluidos que não se dobram às suas regras e réguas? Não sei, tudo meio confuso, meio atropelado, meio em guerra, ainda mais em guerra na nossa cabeça por conta do que vai acontecendo na música… Repare no vocabulário esquisito para um cantor que até já fez letras refinadas: “pinta”, “bicho”, “buchicho”, “charanga”, “malocam”, “sungas estufadas”, “zoeira”… Até à mítica das “picas enormes” ele se refere (com “sacos [que] são granadas”), parecendo apontar para a conversa desses “supremacistas” que atribuem características “animalescas” aos negros para alimentar suas teses racistas. E há muitas outras insinuações, como se uma outra realidade viesse nessas palavras rasteiras que marcam a geografia do Rio de Janeiro – Arará, Caxangá, Chatuba, Irajá, Penha, Maré – e, no passar da letra, fossem se sobrepondo à bela Copacabana, que, depois da primeira estrofe, é apenas um eco, um som sufocado nas repetições de “caravana”. Na última estrofe, então, parece que ele escorregou mesmo. Além de apelar para um lema exagerado na boca da gente ordeira da zona sul – “tem que bater, tem que matar, engrossa a gritaria” – e de dizer que, nessas pessoas, “filha do medo, a raiva é mãe da covardia”, ele coloca tudo em dúvida ao admitir que talvez o doido seja ele mesmo, que escuta vozes, vê gente insana e até caravanas vindas de lugares com nomes estranhos. Sinceramente, não achei tudo isso, mas não vou falar mais nada para não chatear os fãs.

Carlos Felipe Moisés (1942-2017)

carlão

(1)

Carlos Felipe Moisés foi embora. Foi encontrar novamente Margarida. Hoje cedo, mas eu soube agora. Quando o conheci, ele era um livro, depois outro, depois outros, até virar um amigo que parecia estar desde sempre por perto, uma espécie de mestre, Mestre, um monge dessa religião sem deus chamada poesia, que agora virou livros novamente, infinitos livros e textos e ideias e gestos, muitos gestos de afeto que nada vai apagar. Falamos há algumas semanas e ficou no ar a felicidade com a campanha do Corinthians, o próximo encontro na Urca, um livro novo na sua infinita gaveta. Ele me contou de seu “calo na aorta”, eu disse que não havia nada mais apropriado para um poeta, rimos, mas agora eu queria que aquilo fosse apenas uma metáfora. Ontem, no lançamento do livro de que participamos juntos, sua ausência era o assunto. Sabíamos que estava lutando, mas não havia tristeza porque sabíamos que Carlão era o mais forte de nós. E vai continuar assim, titular absoluto.

 

(2)

NOITE NULA

 

no sonho eu andava

sobre um tapete

que os livros com seu nome formavam pela casa

rebeldes saltados da estante

inconformados com sua morte

 

não havia mais palavras neles

e para onde eu olhava

via correr os seus versos

na pele viva da parede

no mármore da minha pele

no olho intenso do céu

 

e naquele momento

era como se todas as letras já escritas

girassem a milhões de quilômetros

por segundo para dizer

simplesmente: siga

 

seguimos, seus amigos,

e nosso mantra

era um poema-abismo

que roubamos de você:

 

«Eu me arquipélago

tu te maravilhas

ele se istma

nós nos montanhamos

vós vos espraiais

eles se eclipsam. »

 

no sonho não há adeus

não há deus não há dores

e as distâncias do mundo

e do além

cabem todas no abraço

 

não sei se é preciso acordar

 

(3) A gente normal, às vezes com 40, 50 anos, já parece, na vida, aquele funcionário que, 30 minutos antes do fim do expediente, já está arrumando a mesa para sair, fechando as gavetas, desligando o computador. Aos 40, 50 anos, já não atendemos mais as ligações da vida, porque podem atrasar nossa saída. Ontem, no velório do Carlão, falei para vários amigos que ele, aos 75, parecia estar chegando. Carlos Felipe Moisés, com tudo que já tinha trabalhado, parecia estar nas primeiras horas do dia que é nossa vida. Com o cabelo ainda arrumado no espelho da manhã e a leveza de quem teve uma ótima noite de sono. Nesse belo perfil na Revista Caliban, Ronaldo Cagiano fala que Carlão “nos deixa no auge de sua produção e vitalidade” – é exatamente a impressão que eu tinha. Ele tinha muito ainda para nos ensinar, muito mesmo, em todos os campos. Por isso a porta bateu tão forte.

https://revistacaliban.net/depoimento-um-intelectual-agudo-e-um-poeta-refinado-5dac231f467d

Doni: comigo, conosco

doni

Relendo os livros do poeta Donizete Galvão (1955-2014), para uma tarefa que divido feliz com Paulo Ferraz (em breve!), me peguei fazendo contas: quando nossa amizade começou, eu tinha pouco mais de 20 anos e, portanto, ele tinha pouco mais que a idade que tenho hoje. E desde sempre o interesse e o reconhecimento dele pelo que fazíamos eram admiráveis, verdadeiramente contagiantes, a ponto de nunca ter reparado essa diferença de idade antes. A generosidade dele (somada talvez à minha pretensão…) nunca deixou pousar qualquer distância geracional em nossa conversa. Mas Doni foi embora aos 58 – e como 58 é pouco para alguém como o Doni! Sua presença e sua falta estão ainda emaranhadas na cabeça e na agenda dos amigos que herdei dele, assim como nas minhas. De vez em quando, falamos do Doni ainda no presente. Se distrair, incluo seu email nas conversas coletivas. Nos últimos meses, por exemplo, ando numa febre de interesse por um desses universos que os duendes da leitura parecem deixar reservados para quando estivermos prontos, e tenho certeza que uma ou duas cervejas com o Doni seriam suficientes para que ele me indicasse o que ler nesse universo, assim como fez em tantos outros. Por falar em livros, encontrei aqui agora entre os que ele escreveu alguns que curiosamente não estão autografados para mim. E é estranho demais constatar que continuarão assim. Mas não fico triste, não posso. É um imenso privilégio ter sido amigo de alguém que passou pela vida perseguindo as palavras desses poemas e deixou tanto assim para seus amigos-leitores. Foi sua maneira de ficar um pouco mais. Uma vida entre livros que se eterniza nos livros que só ele poderia ter escrito. Só mais uma de suas generosidades. Comigo, conosco.

>>> E já anotem aí na agenda que, em 29/08, às 19h, na Casa das Rosas, haverá um encontro dedicado à poesia de Donizete Galvão, sob coordenação de Vera Lucia de Oliveirahttp://www.casadasrosas.org.br/agenda/poeta-da-carne-e-do-tempo

Íntimo desabrigo

Leia abaixo o texto de Carolina Serra Azul e Renan Nuernberger sobre meu novo livro de poemas, Íntimo Desabrigo, que sai em breve.

20257519_1604787309540116_1351096292_o

«Contra nossos dias nebulosos, Íntimo desabrigo propõe um recuo estratégico: muitos poemas da primeira seção, “Não sei”, estabelecem uma rede de afetos, reforçada nas dedicatórias a familiares e amigos, que garante algum alívio e esperança nessas páginas. Há um desejo explícito de restaurar as vidas danificadas (“Eu queria ver as fotos em que Verônica está linda”), de reduzir a poluição sonora (“… acredito mesmo/ na eloquência/ do silêncio”), de transfigurar o cotidiano sufocante (“… a mágica de multiplicar o que importa”) – desejo que se instaura a partir do cultivo de lições simples, com certa feição oriental, como no poema “Nota para quando eu for um sábio chinês de um século distante”.

Por outro lado, esse cultivo da intimidade é atravessado pela violência objetiva, sinalizando o horror já entranhado nos sujeitos (“… soldados inimigos/ patrulhando/ suas veias”). Aqui, os elementos da natureza são corrompidos pelos signos da civilização (“céu de concreto”, “mar de desprezo”, “ondas do asfalto”, “tanto sol na tela fria”), apontando que, nas relações diárias, aquilo que acontece “não é da ordem dos astros. É desastre”. Há, com isso, um questionamento sobre o alcance da própria poesia, talvez escondida “sempre no avesso” dos lugares onde a procuramos – o que revela, ainda, a outra face do almejado silêncio (“soterrada sua pretensão/ de saber dizer tudo”).

Se, no recuo inicial, o sujeito se aparta do mundo (“daqui ouço a voz…”), no decorrer do livro percebe-se o entrelaçamento de ambos (“(e o mundo é mim mesmo)”), engendrando uma concepção de poema que, no limite, ambiciona desaparecer enquanto poema, como em “Feitio de oração”, para revelar a matéria de nosso tempo. Tal gesto fica evidente na seção dois do livro, “Novos poemas [2013-2014]”, e, sobretudo, na seção final, “Outros desabrigos”, nas quais os efeitos reais do horror social (“…Outro país se esvaiu, mais alguns foram linchados”) são reconstituídos esteticamente com incisiva crueza.

Não pense o leitor, entretanto, que o poeta abdica assim de seus instrumentos: o senso construtivo da poesia de Tarso de Melo reaparece, aqui, para ampliar o alcance político de seu gesto. Isso é evidente, por exemplo, na disposição dos versos de “Toda sentença é um antipoema”, cuja dimensão de ready made – trata-se da transcrição literal da sentença condenatória de Rafael Braga – é tensionada pela exposição sombria do funcionamento da justiça. A condenação de Braga, resultado da violência do Estado durante as manifestações de junho de 2013, é um documento revelador do racismo estrutural no Brasil (“a sua personalidade é voltada para a criminalidade”), como os textos do século XIX que justificavam “racionalmente” a escravidão. No futuro, quem sabe, seremos lidos com o mesmo espanto com o qual lemos o passado. Mas também seremos lidos por nossa capacidade de indignação frente à barbárie, como nesse Íntimo desabrigo

 

Para comprar o livro, é só clicar no link a seguir. Os exemplares, numerados e assinados, serão enviados a partir do início de agosto. Coedição Alpharrabio e Dobradura, 104 págs., R$ 25 [+ frete]. Clique aqui: https://pag.ae/bhmd6b2